sábado, 15 de novembro de 2014

Runas / o Fehu

Clique o link e veja alguns depoimentos e comentários sobre os Anéis:

"O oportunista ambicioso se emaranha nos fios de sua própria rede tecida pelo tempo".Thunna Burnama


A Soberania Central de TODO poder, luz, Sabedoria, Criação, Vida...O Grande Sol Central.


Runas é um conjunto de Símbolos da Geometria Sagrada, que foram usados como alfabeto germânico, mais precisamente na Escandinávia. Foram encontrados na Escandinávia e Ilhas Britânicas e suas inscrições datam do ano 150.


O Anel Odin, tem tem seu interior, o Símbolo Rúnico Sagrado "Fehu" que é a pedra da glória, da  plenitude, da riqueza,da prosperidade, dos ganhos, da posição social... Este Símbolo é semelhante a um "F" onde os dois traçados são perpendiculares ao traçado vertical.É um símbolo associado aos bens, à riqueza. Como na cultura primitiva o gado era uma espécie de moeda corrente, o símbolo tradicional de Fehu é o gado. Esta runa significa vitória em assuntos financeiros, altos ganhos, uma conquista, conclusão de projetos. Um dos regentes de Fehu é Venus, o que pode também significar ganhos emocionais.
Os regentes planetários de Fehu é Venus e a Lua e o signo é de 06 à 20 de Abril. O Regente é o deus Freyr que é o deus da fertilidade, da abundância, da prosperidade, riqueza e paz.O deus Freyr é sempre invocado pra trazer tempo bom, prosperidade, fertilidade, riqueza e paz.
Como o Fehu diz respeito ao ganho e a prosperidade da vida, é bom lembrar-se que "um EU bem saudável, abundante e farto de bens, é o desejo ardente e incondicional de compartilhamento".

                                                                             

                                     Contato para pedidos: thunnaburnama@gmail.com                                                                                      




"A Luz é a nossa Mestra-Professora e o Planeta Terra, a Sábia Escola da Afortunança". Thunna 

O Planeta Asgard, era ligado à Terra por meio de uma enorme ponte dimensional(portão dimensional) por onde os alienígenas se transitavam.

                 Odin morava  no palácio Valaskjalf em Asgard, que foi construído para si.
                                 
                                       Odin, Vikings e a chegada da igreja
                                                                    Informação consciente é Luz!

Os povos que se estabeleceram na Escandinávia, vindos da Ásia - da Mongólia e região - e que foram chamados de  “Vikings” na Escandinávia, eram povos extraterrestres vindo de um Universo distante do nosso. Era um  povo forte, robusto, de conduta espiritual xamanista muito elevada e o Mestre Odin, era o seu poderoso deus.

O termo “Viking” quer designar justamente isso, “de fora”, “distante” e não eram povos bárbaros, ladrões e invasores, que somente a nossa era consegue assim enxergar.Seu planeta de origem, muito evoluído espiritualmente, era ligado ao Planeta Terra por uma “ponte dimensional” onde o vai-e-vem de transeuntes era intenso.
O nome Asatru, modernamente usado, se refere a essa conduta espiritual desse povo xamanista, de elevada sabedoria espiritual, cujas origem é da idade da pedra.

Esse povo, deixava de ser nômade como era na Mongólia dos tempos idos, para se transformar, na Escandinávia, em lavradores, por acreditarem que a terra, a natureza, era  Energia da Procriação, algo muito divinal e sublime da Espiritualidade Superior.Eles a tinham como a Divina-Mãe-Terra, que cuidava, alimentava e lhes abençoava com o alimento e proteção. Assim, eles conceberam a terra como um Ser Vivo, dotado de Alma e consciência própria e a louvava como a Divina-Mãe-Terra Absoluta. Isto é a conduta espiritual Xamanista, onde a Natureza é formada de Seres Vivos, com consciência própria.

Asatru foi por centenas e centenas de anos, o Caminho Espiritual dos diversos povos nórdicos que trouxeram consigo, de seu planeta distante esta consciência de vida.Povos como os Escandinavos, os frisios, os húngaros, os Anglo Saxões e seus ancestrais juntamente com os Gaélicos, os ingleses, os teutões – predecessores dos Alemães – os ancestrais Holandeses, os Godos – Visigodos e Ostrogodos -, os Eslavos – Longonbardos e Russos.Suas raizes são indo-européias juntamente com as raizes espírito-culturais dos Celtas.
Já nessa época, essa conduta espiritual, pura, desse povo. foi sendo  destruída e esmagada por  campanhas genocidas e violentas praticada pela igreja cristã que buscava superpoder e riqueza para uma monarquia papal a todo custo, para domínio absoluto do Planeta, limitando, desapropriando e dominando a todos.

Esses povos nórdicos, de forte consciência espiritual, eram povos fortes com energia de evolução extraterrestre, que via na energia oferecida pela terra, o marco divinal mas que não tencionavam, absolutamente, converter à ninguém para as suas tradições xamanistas, de forte devoção à Divina-Mãe-Terra.Entretanto, se viram fortemente ameaçados pela fúria e ganância da igreja cristã que já caminhava à passos largos, causando o desconforto espiritual desses povos, com constantes ameaças de morte a quem não se convertesse ao cristianismo. Grupos de missionários se infiltravam e alastravam pela Europa afora, levando vãs promessas cristãs de melhores vidas. Padres cristãos trabalhavam intensamente na Bretanha destruindo e massacrando, ardilosamente, os templos desse povo para construção de pequenas igrejas cristãs de madeira, tijolos e pedras para fortificar a presença e o domínio deles. Fabricavam números incalculáveis de cruzes de madeira para infundir o cristianismo, custasse o que custasse.Muitos que não a aceitavam, eram barbaramente exterminados pela hipocrisia da igreja, que não perdoava.Eram mortos em emboscadas e até mesmo a sangue frio. A igreja só trouxe destruição, tirania e hipocrisia para o povo!

Já por volta do ano 700 da era comum, construíram monastérios no norte da Inglaterra, e um cristão chamado Bede, se dispôs, inclusive, a escrever um livro que falasse sobre o crescimento da fé cristã, na Inglaterra,  como engodo para o povo. Mentiam abertamente para conquistar, hipocritamente, o domínio das massas. Aquele que se negasse a se converter à nova fé da cruz,  passava pela morte no fio da espada e isso aconteceu a milhares de germanos que foram trucidados por essa igreja, que na era atual "dá uma de inocente". Era a “religião do amor” desapropriando, trucidando e  matando ao fio da espada, em nome do poder e de uma monarquia papal absoluta, para limitação e domínio absoluto do mundo.Famílias inteiras, criancinhas de colo, jovens e adultos, foram assassinadas sem dó e nem piedade pela fúria gananciosa da igreja que não se deixava intimidar.Era o sacerdócio da fúria, da matança, da desapropriação e ganância, com uma única meta: uma monarquia papal onde a igreja seria a lei.

Por volta do Sec X, o povo da Noruega se viu obrigado a se converter ao cristianismo sob forte influência dos reis cristãos Olaf Tryggvarsson e Olaf, “o sagrado”, que determinavam  mortes dolorosas - em nome do Cristo - a todos que os impedissem. Foi um tempo de tirania e terror absoluto pela Europa. Promoveram a destruição pelo fogo, em massa, de todos os templos Asatrus, sequestrando a tudo, massacrando e matando ao fio da espada, aos que ainda os impedissem e expulsando a todos os Asatruses da região. Foi - além de vários outros - um dos grandes genocídios da igreja, que para alcançar a sua meta, destruía e matava a quem estivesse contra a igreja.
Alguns expulsos se estabeleceram na Islândia onde ainda não havia domínio de reis católicos e nem perseguições que levasse à morte, aos adoradores da Natureza,  da Divina-Mãe-Terra. Entretanto, mesmo na Islândia a chama Xamânica da Espiritualidade Superior, já se mostrava baixa pelo medo, vindo a  apagar-se, com o começo  das inúmeras ameaças da igreja ao povo, que se sentia amedrontado por tamanha crueldade nas mortes que já haviam começado a se mostrar. Não havia mais paz e sossego, mas desapropriações, massacres, destruição e mortes em nome da ganância dominadora.

Por volta do ano 1.000, sob forte pressão de diversos reis cristãos que já se haviam “ vendidos” à seita religiosa cristã e  constantes ameaças de guerra, boicotes de todo tipo,dificuldade comercial, e todo tipo de ardil da igreja como fome e assassinatos,  a Islândia  teve que ceder aos caprichos sanguinários da igreja cristã, que com as inúmeras desapropriações ao fio da espada, mantinha seus cofres abarrotados de riqueza e escrituras imobiliárias.

                                     
"Ser livre, não significa, unicamente, não estar preso, mas também estar liberto das religiões, de suas seitas, de seus dogmas, de seus pregadores e de suas doutrinas que culpam, aprisionam, cegam e dominam a humanidade". Thunna


Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)